A teoria da imprevisão encontra amparo legal nos artigos 478 a 480 do Código Civil, e tem como propósito possibilitar a resolução ou a revisão de um contrato que esteja suportando os reflexos de um acontecimento extraordinário, superveniente e imprevisível, que desequilibre a sua base econômica, o tornando excessivamente oneroso para uma das partes.

Nesse sentido, há de se considerar que a pandemia decorrente do novo coronavírus (Covid-19) tem causado significativas alterações nas relações contratuais, em especial, aquelas fixadas em moeda estrangeira, como o dólar.

De acordo com as informações do Banco Central, desde o dia 27 de janeiro, quando a China isolou a primeira cidade para evitar uma disseminação descontrolada da Covid-19, o real se desvalorizou quase 25%, a maior depreciação entre as 33 divisas mais líquidas do mundo.

Diante dessa circunstância, se um contrato foi pactuado no final de 2019 e a proposta considerou um determinado valor para o dólar, é possível que o negócio se torne excessivamente oneroso para uma das partes, que terá que saldar sua obrigação na moeda americana.

É certo que situações dessa natureza reclamam a aplicação da teoria da imprevisão que, como já dito, incide na ocorrência de fatos externos ao contrato e imprevisíveis, porém de consequências incalculáveis, que impactam o equilíbrio econômico-financeiro de forma alheia à vontade das partes.

Entretanto, o Projeto de Lei n 1.179/2020, de autoria do Senador Antônio Anastasia, que dispõe sobre o Regime Jurídico Emergencial e Transitória das relações jurídicas de Direito Privado no período da pandemia da Covid-19, impõe limitações à teoria da imprevisão.

Em seu capítulo IV, que trata da resilição, resolução e revisão dos contratos, o PL propõe que “não se consideram fatos imprevisíveis para os fins exclusivos dos artigos 317, 478, 479 e 480 do Código Civil, o aumento da inflação, a variação cambial, a desvalorização ou substituição do padrão monetário” (artigo 7º).

Portanto, em tese, a variação cambial decorrente da pandemia que assola o mundo, sobretudo o Brasil, onerando excessivamente aquele que contratualmente assumiu uma obrigação em dólar, não poderá ser objeto de argumentação para o caso de invocação da teoria da imprevisão.

O texto atual do referido projeto de lei se apresenta contrário ao entendimento do Superior Tribunal de Justiça, quando o Brasil, em janeiro de 1999, enfrentou uma brusca desvalorização do real. O Recurso Especial nº 1.433.434-DF, da Relatoria do Ministro Sérgio Kukina, julgado em 2018, fixou a orientação de que a súbita desvalorização da moeda nacional frente ao dólar configurou causa excepcional de mutabilidade dos contratos administrativos, com vistas à manutenção do equilíbrio econômico-financeiro das partes.

Ao que tudo indica, o projeto que já vem despertando inúmeros debates na comunidade jurídica, se sancionado, limitará substancialmente a aplicação da teoria da imprevisão, obstando o direito da parte ao reequilibro econômico-financeiro inicial do contrato em caso de variação cambial e desvalorização da moeda.

Isso causa uma significativa preocupação, principalmente à parte que tem sua obrigação contratual estabelecida em dólar, necessitando contar com o auxílio de profissionais gabaritados no sentido de afastar ou minimizar os efeitos do PL, que já se encontra na Câmara dos Deputados, muito próximo de uma sanção presidencial.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *